Vasco

Vasco

domingo, 19 de fevereiro de 2017

DOMINGO É DIA DE MULHER BONITA - NÉLA PAULA USOU 1º BIKINI EM COPA

COMANDANTES DE ESQUADRAS - GRADIM

O treinador campeão carioca-1958, Francisco de Souza Ferreira, o Gradim, ganhou tal apelido por causa de um grande atacante negro da seleção uruguaia, assim chamado. Conta-se que, ao ser batido pela Celeste, durante o Campeonato Sul-Americano de 1914, o Chile pedira a anulação da partida, porque o adversário tivera escalado dois jogadores africanos. Na época, o racismo atacava forte no futebol.
O Gradim brasileiro esteva no comando de rapaziadas desde os seus 19 anos de idade. A vida “na boca do túnel”, com falava-se, antigamente, invadira a sua carreira de atleta, em 1927, quando Manoel Caballero (futuro patrono do Bonsucesso) convidou-o a dirigir o terceiro time dos rubro-anis, em uma decisão de título, contra o Flamengo – ficou vice.

Reprodução de Manchete Esportiva
Pra valer mesmo, a careira de treinador de Gradim começou em 1942, quando “pendurou as chuteiras”. Vale ressaltar, no entanto, que, em 1936, após uma saída do Bonsucesso, ele encarou uma segunda invasão de sua vida atlética, dirigindo o time juvenil, paralelamente às suas atuações como jogador do time A. Serviu para ele levar a garotada do “Bonsuça”, em 1939, ao único título rubro-anil na Série A do futebol carioca.     

 Com treinador, pra valer, de saída, Gradim comandou as três equipes mantidas pelo Bonsucesso. Ficou, por oito anos, no clube da Rua Teixeira de Castro, e, em 1951, passou a trabalhar pelo Fluminense, para o qual, de cara, carregou a taça de campeão carioca juvenil da temporada. Um bom recado de chegada para, em 1852, ser promovido a assistente do lendário treinador Zezé Moreira, o qual substituiu, em 1954, quando o chefe dirigia a Seleção Brasileira na Copa do Mundo. Aliado a isso, engordou o currículo ajudando os tricolores a ganharem o tetra (1951 a 1954) carioca dos aspirantes, categoria extinta na década-1960.

 Com Zezé a serviço da Confederação Brasileira de Desportos, o emergente Gradim pode ter a sua primeira experiência internacional. Disputou, com os tricolores, a Copa Montevidéu, ficando em terceiro lugar, atrás dos uruguaios Peñarol e Nacional, e à frente do peruano Alianza Lima; do austríaco Rapid Viena; do América-RJ; do Norrköping, da Suécia, e do Sportivo Luqueño, do Paraguai.
Pelo final da competição, Gradim viveu um fato inusitado: comandou o time do América, em seu último compromisso, tendo em vista que Oto Glória, o treinador do “Diabo Vermelho, precisou voltar ao Rio de Janeiro, urgentemente, devido assuntos familiares. Ainda naquele 1954, ficou vice do Torneio Rio-São Paulo. Em 1955, além, de voltar a ser campeão carioca juvenil, comandou times tricolores em jogos de aspirantes e de profissionais.

A temporada-1957 marcou o reencontro de Gradim com o Vasco da Gama. Contratado para assistente de Martim Francisco, no entanto, dedicava a maior parte do seu tempo aos juvenis. Com a saída do “chefe”, assumiu a chefia, para navegar com o “Almirante” rumo aos canecos de campeão dos Torneio Inicio e Rio-São Paulo, e do SuperSuperCampeanto Carioca.
 O primeiro encontro de Gradim com o Vasco fora em 1934, como atleta. Sagrou-se campeão da Liga Carioca de Futebol, numa época em que havia duas entidades dirigentes -  a outra era a Associação Metropolitana de Esportes Athléticos.  Diz a lenda que teria marcado 27 gols, dos quais 21 de cabeça. No entanto, o registro oficial da Liga é de que fez só oito,  em 12 jogos do seu campeonato.     

HISTORI&LENDAS DA COLINA - NUMÉRICOS

1 - Jogos cruzmaltinos em que a numeração do dia coincidiu com a do mês: 01.01.1954 - Vasco 1 x 1 América; 02.02.2003 - Vasco 2 x 2 Fluminense; 03.03.1999 - Vasco 2 x 1 Santos. 04.04.1957 - Vasco 3 x 0 Renner-RS; 04.04.1965 – Vasco 3 x 0 Santos; 04.04.1979 – Vasco 3 x 2 Internacional-RS; 04.04.2004 - Vasco 2 x 1 Fluminense; 04.04.2004 - Vasco 2 x 1 Fluminense; 05.05.1985- Vasco 5 x 1 Atlético Cajazeiras-PB; 05.05.1963 - Vasco 3 x 0 Stade Abidjan-Costa do Marfim; 05.05.1946 – Vasco 6 x 2 Bahia; 06.06.1934 –Vasco 4 x 3 Bonsucesso; 06.06.1949 - Vasco 5 x 0 Rapid Wien-AUS; 06.06.1961 –Vasco 2 x 0 Combinado de Skeid-NOR; 06.06.1979 – Vasco 3 x 1 Bonsucesso; 06.06.1982– Vasco 5 x 2 Sampaio Corrêa-MA; 06.06.1998 - Vasco 1 x 0 Grêmio-RS; 06.06.1993– Vasco 1 x 0 Fluminense; 06.06.1999 - Vasco 2 x 0; 07.07.1946 -Vasco 3 x 0 Botafogo; 07.07.1985 – Vasco 1 x 1 Internacional; 08.08.1971 - Ceará 0 X 0 Vasco; 10.10.1937 - Vasco 3 x 3 Flamengo;  11.11.1967 - Vasco 4 x 0 Flamengo; 12.12.1948 - Vasco 1 x 3 Botafogo; 12.12.1979 – Vasco 1 x 1 Coritiba

2 - Em 16 de setembro de 1986, o Vasco goleou o Combinado de Caxambu-MG, por 5 x 0, na casa do adversário. Com cinco minutos, já estava 2 x 0, por obra e graça de  Zé Sérgio, aos 2 e de Claudinho, aos 5. Com estava muito fácil, aos 17, o mesmo Claudinho fez mais um. Por ali, a rapaziada deu uma segurada. No segundo tempo, Santos, aos 10,  e Vivinho acabaram de engrossar o caldo.

3 - O primeiro jogo do Vasco contra o Fast Club, do Amazonas, foi em 8 de agosto de 1955, amistosamente, em Manaus. Salum Osmar apitou e a renda foi de Cr$ 25 mil 417 cruzeiros e quatro centavos, a moeda da época. O pernambucano Ademir Menezes e o paraguaio Sílvio Parodi temperaram o caldo cruzmaltino, enquanto Paulo Onely descontou para os anfitriaões. O Vasco faoi Hélio, Paulinho de Almeida e Haroldo;  Orlando, Beto (Dário) Válter; Sabará (Yedo), Maneca, Vavá (Ademir Menezes), Pinga (Alvinho) e Parodi. O Fast alinhou: Jairo, Morcego, Mário, Perota, Almério, Nego, Marcelo, Paulo Onety, Ariosto, Orleans, Paulo Lira.

4 - O Vasco já ficou quase sete anos sem perder do seu maior rival, o Flamengo. Foram 20 duelos de invencibilidade vascaína, com 15 vitórias e cinco empates. É a maior invencibilidade do confronto entre ambos. Nesse rolo, a “Turma da Colina” mandou buscarem 58 bolas no filó, e só foi lá em 28 oportunidades, 30 a menos.

5 - Campanha do Vasco campeão do Brasileiro da Série B-2009: 09.05.2009 – Vasco 1 x 0 Brasiliense; 16.05 – 2 x 0 Ceará; 23.05 – 3 x 0 Atlético-GO; 30.05 - 1 x 3 Paraná; 06.06 – 0 x 0 São Caetano; 13.06 – 0 x 0 Guarani de Campinas; 19.06 – 0 x 0 Duque de Caxias; 27.06 – 1 x 1 Figueirense; 30.06 – 0 x 0 Bragantino-SP; 11.07 – 3 x 0 Ponte Preta; 14.07 – 2 x 0 Vila Nova-GO; 17.07 – 3 x 0 ABC; 25.07 – 1 x 2 Bahia; 28.07 – 2 x 1 Fortaleza; 01.08 – 2 x 1 Juventude; 08.08 – 3 x 0 Campinense; 11.08 – 2 x 2 América-RN; 15.08 – 3 x 1 Portuguesa de Desportos; 22.08 – 4 x 0 Ipatinga-MG; 25.08 - 1 x 0 Brasiliense; 28.08 – 0 x 2 Ceará; 05.09 – 2 x 2 Atlético-GO; 11.09 – 2 x 1 Paraná; 15.09 – 1 x 0 São Caetano; 19.09 – 1 x 0 Guarani; 26.09 – 1 x 0 Duque de Caxias; 29.09 - 1 x 2 Figueirense; 03.10 – 0 x 0 Bragantino; 10.10 – 0 x 0 Ponte Preta; 13.10 - 4 x 1 Vila Nova; 20.10 – 3 x 2 ABC; 24.10 – 2 x 1 Bahia; 31.10 – 1 x 1 Fortaleza; 07.10 – 2 x 1 Juventude; 10.11 – 1 x 0 Campinense-PB; 13.11 – 2 x 1 América-RN; 21.11 – 0 x 1 Portuguesa e 26.11 - 0 x 2 Ipatinga-MG.

6 -  Quem carimbou o filó: Élton (17); Carlos Alberto (9); Adriano (5); Alex Teixeira (4); Ramon Gaúcho (3); Edgar, Fagner, Gian, Nilton, Robinho e Souza (2); Amaral, Fernando, Fumagalli; Léo Lima; Paulo Sérgio; Rodrigo Pimpão e Tite (1).

sábado, 18 de fevereiro de 2017

VASCO DA GAMA 1 X O PORTUGUESA-RJ

O placar valeu classificação ao "Almirante" às semifinais da Taça Guanabara, como segundo colocado do Grupo C, com 9 pontos, contra 15 do Fluminense; seis do Voltas Redonda; quatro do Resende e dois da Portuguesa. O próximo adversário será o Flamengo.
O gol da vitória cruzmaltina foi marcado por Thalles, aos 23 minutos do segundo tempo. O argentino Escudero cruzou a bola da esquerda  e o camisa 9 cabeceou forte, em sua primeira finalização.
Um outro marco da partida foi o  goleiro uruguaio Martín Silva vestindo a jaqueta cruzmaltina pela 150ª vez. Ele está na Colina desde 2014, tendo sido campeão bicampeão estadual-RJ-2015/2016.
Martin Silva é a segurança no gol
Sobre o número expressivo de jogos, ele disse ao site oficial  www.crvascodgama.com.br," do qual qual reproduzimos todas as fotos aqui publicadas: "É uma glória chegar a esta marca  por uma instituição tão importante para mim e para o futebol. Eu nem estava sabendo disso, quando o clube me informou, ontem (17.02.17). Serve como motivação, pois ainda tenho um caminho grande pela frente com essa camisa."

Confira estes números pesquisados pelo site www.lancenete. com.br - MÉDIA DE GOLS SOFRIDOS POR MARTIN SILVA - 2016 – 35 gols, em 41 jogos – 0,85 de média;  2015 – 43 gols, em 47 jogos: 0,91;  2014 – 40 gols em 45 jogos: 0,88. MÉDIA DE GOLS SOFRIDOS PELOS GOLEIROS DO VASCO-2013 - Diogo Silva- 33 gols, em 24 jogos: 1,37;  Alessandro – 34 gols, em 24 jogos: 1,41;  Michel Alves – 22 gols, em 12 jogos: 1,83. MÉDIA DE GOLS SOFRIDOS POR FERNANDO PRASS - 2012 – 75 gols, em 65 jogos: 1,15;  2011 – 84 gols, em 75 jogos: 1,12;  2010 – 74 gols, em 67 jogos: 1,10;  2009 – 29 gols, em 41 jogos: 0,70.SEQUÊNCIA DE CARLOS GERMANO COM MÉDIA ABAIXO DE UM GOL POR JOGO - 1998 – 37 gols, em 43 jogos – 0,86 de média; 1997 – 34 gols, em 38 jogos: 0,89. SEQUÊNCIA DE ACÁCIO COM MÉDIA ABAIXO DE UM GOL POR JOGO - 1990 – 39 gols, em 51 jogos: 0,76 de média; 1989 – 35 gols, em 43 jogos: 0,81;  1988 – 48 gols, em 71 jogos:0,67; 1987 – 37 gols, em 70 jogos – 0,52.

ESTATÍSTICA - Embora sejam clubes da colônia portuguesa no Rio de Janeiro, os dois se enfrentaram pouco: 61 vezes, com 52 vitórias do "Almirante", quatro da "Lusa da Ilha do Governador" e mais cinco empates. Tais jogos valeram pelo Estadual, com a rapaziada vencendo 51, empatando quatro e caindo em três; Copa Rio-1992, em um só confronto, vencido pela moçada, e dois amistosos, com uma vitória da "Zebra" e um empate.
Em sua primeira finalização, Thalles foi positivo e  resolveu a parada. Foto reproduzida
 de www.crvascodagama.com.br

 CONFIRA A FICHA TÉCNICA - 18.20.2017  (sábado) -  VASCO 1 X 0  PORTUGUESA-RJ. Taça Guanabara: 5ª rodada. Estádio: São Januário-RJ. Juiz: Maurício Machado Coelho Júnior. Público presente: 6.485. Pagantes: 5.543. Renda: R$ 137.125,00. Gol: Thalles, aos  23 min do 2º tempo.VASCO: Martín Silva; Gilberto, Luan, Rodrigo e Henrique (Muriqui); Bruno Gallo (Escudero), Jean, Guilherme (Wagner), Nenê e Kelvin; Thalles. Técnico: Cristóvão Borges. PORTUGUESA-RJ: Luciano; Pessanha, Marcão, Rodrigo e Jacozinho (Maicon); Marcinho Pitbull, Muniz (Peterson), Romarinho, Fabinho e Matías Souza (William Amendoim); Edu. Técnico: Nelson.  

LANCE FABULOSO - O site  do "Almirante"  www.crvascodagama.com.br está anunciando que o goleador  Luís Fabiano já faz parte da "Turma da Colina", como oitavo reforço para esta temporada. Apelidado pela imprensa paulista por "Fabuloso", o artilheiro já balanço a rede para o São Paulo; Porto, de Portugal. Sevilha, da Espanha, e a Seleção Brasileira, pela qual disputou a Copa do Mundo-2012 e conquistou a Copa América-2004, a Copa das Confederações-2009 e o Superclássico das Américas-2012, contra a Argentina.
 Ultimamente, Luís Fabiano defendia o chinês Tianjin Quanjian, da China, onde foi campeão da China League One-2016, sendo o artilheiro da competição, marcando 23 gols, em 29 jogos, além de ter sido considerado o melhor da disputa. DETALHE: Luís Fabiano é o segundo maior goleador da história do São Paulo FC, com 234 gols, oito a menos do que Serginho 'Chulapa', que só não foi ultrapassado porque ele saiu do Morumbi, há duas temporadas, paras voltar ao exterior.  

KIKE EDITORIAL-10 - O GATO ANGORÁ

  O Piauí é um dos Estados mais pobres (economicamente) e  inexpressivos (politicamente) do país. Mas revelou famosos ao longo dos últimos 96 anos. Além de Francelino Pereira dos Santos, que governou Minas Gerais –  de 1979/1983, presente dos generais-presidentes que mandaram no Brasil, entre 1964 a 1985 –, a brava gente piauiense teve mais uma celebridade política: o atual Ministro-Chefe da Secretaria  Geral da Presidência da República, Wellington Moreira Franco.
Assim como o outro, Wellington, também, governou um Estado longe de casa, o Rio de Janeiro – 1987 a 1991 –, carreira politica inclui três deputanças federais – 1975/1977; 1995/1999; 2003/2007 – e a Prefeitura de Niterói-RJ – 1977/1982.
Com quatro vitórias na boca da sacola, o cara não deveria ser bobo. Tanto que casou-se com Celina Vargas do Amaral Peixoto, filha do poderoso Amaral Peixoto, com Alzira Vargas, filha de Getúlio Varagas, ex-ditador e ex-presidente da República. Apelido por  "Genro do Genro”, em 1979, Wellington seguiu o ex-quase tudo Amaral Peixoto – engenheiro; militar; tetra interventor federal no RJ, entre 1937 a 1955; ex-ministro de Estado; ex-embaixador do Brasil na Europa e ex-senador– rumo ao Partido Democrático Social-PSDB, da Ditadura pós-1964, e à Aliança Renovadora Nacional-ARENA, que o sucedeu. Próximo passo? Pular para o Partido do Movimento Democrático Brasileiro-PBDB, quando o ciclo dos militares foi pra “pata que partiu”. Por ali deram-lhe uma nova onomatópose: “Gato Angorá”. Motivo: a cabeleira branca e a característica do felino, de pular de colo em colo.

ADESISMO - Wellington Moreira Franco, depois de servir à "Ditadura", serviu à oposição dos tempos dos militares mandando e, "mais depois",  ao Partido Social Democrata-PSDB, que ficou no poder de 1995 a 2003. Estava, sempre, na pequena área, perto da marca do pênalti, pronto para conferir o lance. Parece?
Ao presidente “tucano” (ave símbolo do PSDB) Fernando Henrique Cardoso, o piauiense serviu com assessor especial, durante o segundo mandato do sociólogo, que planejava reduzir a dívida pública nacional, de R$ 328 bilhões – a externa atingia 30% do Produto Interno Bruto-PIB, o valor da moeda, equiparou-se ao dólar, dificultando as exportações e o grande vilão da vez chamou-se “privatização de estatais”.
O governo FHC (apelido dado pelo jornal Folha de São Paulo) perdia popularidade devido ao baixo crescimento econômico do país, as altas taxas de desemprego e muita corrupção, tornando o Brasil um dos campeões mundiais de desvios de dinheiro público, motivo de o Governo  não cumprir promessas de investimentos em saúde e educação, principalmente, e de muitas outras áreas. Tempos em que as desigualdades sociais eram alarmantes, deixando a "terra brasilis" em  69º lugar do ‘ranking’ da Organização das Nações Unidas, entre 162 filiados. Logo, o assessor especial não contribuir para nada de especial de uma administração que  encaminhou a pátria para os braços do Partido dos Trabalhadores-PT, de Luís Inácio Lula da Silva.
Ruim para o PSDB, bom par Moreira Franco. Polivalente, na "Era PT", ele foi nomeado, pela presidente Dilma Rousseff, titular da extinta Secretara de Assuntos Estratégicos e, depois, Ministro da Aviação Civil.  Não chegou, porém, ao segundo mandato da mulher. Mas, com esta tornando-se carta fora do baralho políticos,  a subida de Michel Temer ao poder fez Wellington recuperar a sua polivalência, tornando-se o responsável pelos leilões de aeroportos para consórcios privados,
Wellington Moreira Franco é investigado na "Operação Lava Jato", delatado, por Cláudio Melo Filho, entre outros motivos, por mensagens trocadas com o então presidente da construtora Andrade Gutierrez, à época das privatizações. Até tornar-se, finalmente, dono da sua atual cadeira, ele teve nomeação suspensa, por três vezes, por liminares do juiz Eduardo Rocha Penteado, da juíza Regina Coeli Formisano e pela Justiça Federal do Amapá. Nesse caso, o especialista, em Direito Constitucional, Michel Temer, repetiu Dilma Roussef, quando esta tentou fazer de Lula ministro com foro privilegiado, o que Moreira Franco, também, não conseguiu.

“CA PRA NÓIZ-1”: como diria o mineirinho “come quieto”: este povão linguarudo, que vive falando mal de todo mundo, está de sacanagem com as boas intenções do presidente Temer. Embora o homem, durante toda a sua vida pública, jamais tenha apresentado qualquer projeto importante para o desenvolvimento do país – só fez política partidária –, dizem que ele está preocupado, sim, com o bem estar do povão. Principalmente, de sua língua.

 “CÁ PRA NÓIZ-2”: Temer só trocou Moreira Franco de cargo porque era muito difícil pronunciar o nome do antigo emprego do cara: Secretário Especial do Programa de Parceria de Parcerias de Investimentos da Presidência da República –  assim, não tem língua que aguente, sô! Confere?