Ascensão da rainha Elizabeth II ao trono britânico completa 65 anos

|

REUTERS/Toby Melville

Gustavo Mariani
Especial para o Jornal de Brasília

A comunidade britânica celebra, neste domingo (5), o 65° ano de reinado de Elizabeth II, que subiu ao trono em 6 de fevereiro de 1952. Aos 90 de idade, Elizabeth Alexandra Mary de Windsor nasceu no centro de Londres, em Mayfair, em 21 de abril de 1926, para tornar-se a monarca mais famosa do seu tempo.
Nestes 65 anos, ela já dividiu os holofotes com 14 primeiros-ministros britânicos; 12 presidentes dos Estados Unidos e oito líderes da extinta União Soviética, além de três presidentes da Rússia. Enquanto isso acontecia, dez papas sentaram-se na cadeira de São Pedro, no Vaticano.
Em 2 de junho de 1953, quando foi coroada, na abadia de Westminster e havia apagado 25 velinhas, Elizabeth II já estava casada – desde 20 de novembro de 1947 –, com o príncipe consorte e primo, em terceiro grau, Filipe Moutbatten, duque de Edimburgo e membro das famílias reais da Grécia e da Dinamarca. Antes de ser rainha, prometeu dedicar toda a sua vida aos súditos, no que se esforçou, diga-se, de passagem, pois tem visto, nos últimos tempos, a sua popularidade girar entre 70% a 80%, dos quais 43% acham que ela atua de forma pragmática para merecer o prestígio.
Uma das mostras de que Elizabeth II cumpriria o que prometera aos súditos foi a sua decisão, durante a II Guerra Mundial (1939-945), de chamar para si obrigações públicas. Alistou-se no Serviço Territorial Auxiliar, como motorista, aos 18 anos de idade, e marcou muitos pontos.
Pela tradição, a rainha Elizabeth II é chefe de Estado e líder da Commonwealth, associação voluntária que reúne 53 nações, a maioria ex-colônias britânicas e mais a africana Ruanda, que juntou-se ao grupo em 2009. Esta amizade conta com três membros europeus; 12 norte-americanos; um sul-americano; 18 africanos; oito asiáticos e 11 na Oceania, o que representa 2, 1 bilhão de almas, ou quase um terço da população mundial devotado à Sua Majestade.
Irmã de Margarida, ela é mãe de Charles, o herdeiro e príncipe de Gales (nascido em 1948); Anne, princesa Real (1950); Andrew, Duque de York (1960); e Edward, Conde de Wessex (1964). A rainha Elizabeth II é filha de George VI e de Isabel Bowes-Lyon. Chamada, familiarmente, por “Lilibeth”, ela era a terceira na linha de sucessão ao trono, atrás de seu tio Edward VIII e do seu pai. Reside no palácio de Buckingham desde 1937, quando o pai foi coroado rei, sucedendo ao tio Edward, que trocou a coroa pelo casamento com a divorciada norte-americana Wallis Simpson.
Aos 65 anos de trono, a rainha Elizabeth II não é a pessoa com mais tempo nesta glória, que está registrada em nome de Bhumibol Adulyadej, rei da Tailândia, que passou 70 anos reinando. No entanto, como desfruta de boa saúde e sua mãe viveu por 101 anos, tudo leva a crer que o caminho está aberto para a avó de oito netos e bisavó de dois chegar à liderança desse quesito. Logo, vida longa à Sua Majestade. God save the Queen!