Vasco

Vasco

sábado, 4 de novembro de 2017

FIGURAS DA COLINA - NORONHA

Noronha  surgiu como um grande médio (espécie dos atuais zagueiros de área) no Grêmio Porto-Alegrense. Ganhou quatro títulos estaduais na década-1930, chegou à seleção gaúcha e não demorou para o Vasco da Gama interessar-se pelo seu futebol. Mas o futuro brilhante que a sua bola acenava não emplacou em São Januário. Não por sua culpa.
 Quando Noronha desarrumava as suas malas no Rio de Janeiro, a linha média vascaína era formada por Figliola, Zarzur e Dacunto – um uruguaio, um brasileiro e um argentino –, jogadores tão entrosados que o entrosamento ultrapassava as linhas do gramado. Jogavam bem, não se discutia, mas não permitiam a aproximação de mais nenhum zagueiro em sua área.
Noronha, que chegara do seu Rio Grande cheio de entusiasmo, foi percebendo que vinha sendo boicotado pelos companheiros. Ligou o “desconfiômetro” e tomou todo o cuidado para não se machucar tanto. Mas não adiantou.
 Um dia, Noronha foi escalado em lugar de Zarzur, diante do Madureira. O Vasco foi goleado, por 5 x 1, e ele sacaneado por todo o jogo pelos companheiros. Quando ia na bola, ouvia alguém gritar “deixa”, e a pelota ficava com um adversário. Era grito com sotaque em espanhol.
O Vasco sacou tudo e não gostou do que rolava. Se livrou dos quatro. No caso de Noronha, pior para o clube, pois o zagueiro gaúcho foi se tornar um astro da zaga do São Paulo, ao qual ajudou a conquistar cinco campeonatos estaduais. Ganhou vaga nas seleções paulista e brasileira, pela qual fez 16 jogos, e parte do time campeão do Sul-Americano-1949. Também, ainda ajudou a Portuguesa de Desportos a ganhar um Torneio Rio-São Paulo      
Reprodução de "Manchete Esportiva"
 Vários cronistas esportivos que escreveram nas antigas revistas da década-1950 deixaram no ar a perspectiva de o Brasil não ter perdido a Copa do Mundo dentro do Maracanã, para os uruguaios, caso Noronha tivesse sido escalado na vaga de Juvenal.
O cara foi acusado de beber todas na véspera do jogo, passado mal,  mas o treinador Flávio Costa não tivera peito para barrar um jogador do Flamengo. Resultado: Juvenal não chegou no lance em que Gigghia marcou o gol do título da "Celeste".
Alfredo Eduardo Ribeiro Mena Barreto de Freitas Noronha nasceu em Porto Alegre, em 25 de setembro de 1918, e viveu até 27 de julho de 2003. Media 1m86cm, excelente altura para um defensor do futebol brasileiro da época e, além de zagueiro, jogava, também, pela lateral-esquerda. Chegou ao Vasco da Gama em 1942 e saiu em 1943.     

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário