Vasco

Vasco

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

HISTORI&LENDAS DA COLINA - JOGO ANULADO

No dia 24 de abril de 2005, Vasco da Gama 2 x 2 Brasiliense foi anulado. Valeria pelo Campeonato Brasileiro da Série A, no Estádio Mané Garrincha.
O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) rasgou a sumula da partida, alegando que o Brasiliense descumprira a sua determinação, de jogar com os portões fechados – castigo, pela invasão do gramado do Serejão, em Taguatinga, por um torcedor, em 4 de dezembro de 2004, quando o Jacaré vencera o Fortaleza, por 1 x 0, pela Série B.
O rolo rolou com um expediente do PROCON-DF, ordenando a venda de ingressos – foram vendidos 19.999. O Vasco recorreu ao STJD, pedindo a impugnação da partida, baseado no artigo 49 do Regulamento Geral das Competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que lhe daria os três pontos disputados. E os levou, ficando com a vitória simbólica, por 1 x 0.
O presidente do Brasiliense, Luiz Estevão, alegava não ter como descumprir exigência do PROCON, enquanto o seu colega cruzmaltino, Eurico Miranda, dizia que o seu clube, meramente, cumprira dispositivos legais. Cinco auditores do STJD votaram pela impugnação da partida; um pediu novo jogo e um outro considerou improcedente o pleito vascaíno, apoiado pelo presidente da corte, Luiz Zveiter.
Romário marcou gol naquele jogo - foto reproduzida de
 www.carnalvasco.blogspot.com,  Agradecimento
 Embora sustentasse que o Brasiliense usara o PROCON como "laranja", os auditores não encontraram provas ligando-o ao órgão.
No entanto, defenderam que o "Jacaré" não poderia cumprir a sua decisão, por entenderem que o destinatário da decisão deveria ter sido a CBF,  mandante do jogo, pelo seu regulamento de competições.
"O clube assumiu uma atribuição que não era sua e caiu num erro de direito", afirmou o presidente do STJD, Luzi Zveiter. No final, o Brasiliense, além de perder os pontos, ainda foi julgado por "descumprimento de ato ou decisão do tribunal (artigo 197 do Código Disciplinar do Futebol Brasileiro) e por recorrer à justiça comum (artigo 231) – liminar da 5ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, no dia 19 de abril de 2005.
Brasiliense 2 x 2 Vasco teve o melhor público da rodada: 26 mil, 371 pagantes. O "Jaca" abriu o placar, aos 25 minutos do primeiro tempo, por intermédio de Giovani. O Vasco o igualou, aos 38, com Romário. No segundo tempo, Alex Dias o colocou à frete do marcador, aos 31, enquanto Tiano fechou a contagem, aos 45. O árbitro foi o cearense Wilson de Souza Mendonça.
O Vasco, treinado por Dario Lourenço, jogou com: Everton; Thiago Maciel (Felipe Alves), Fabiano, Daniel e Jorginho Paulista (Diego); Ygor, Coutinho, Rubens (Abedi) e Leozinho; Alex Dias e Romário. O Brasiliense, do técnico Valdyr Espinosa, foi: Donizeti; Dida, Jairo, Gérson e Márcio (Rochinha); Deda, Pituca, Iranildo e Marcelinho Carioca; Igor e Giovani (Tiano).   

FUXICOS DA COLINA -20 - ROLO TRICOLOR

Rolava o Torneio Rio-São Paulo-1999 e a tabela marcava Vasco x Fluminense, para a noite da “Quarta-Feira de Cinzas”, no Maracanã. Com o Fluminense sem chances de título, os vascaínos solicitaram à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro-FERJ a mudança da partida, para São Januário, a sua casa.
 O Flu não aceitou e foi para o Maracanã, bem como o árbitro Alfredo Loebeling, enquanto o “Almirante” ficou esperando-o na Colina.  O jogo não rolou nos gramados, só no “tapetão”, onde os tricolores golearam: 7 x 1.
Pelo final de abril de 2006, houve um segundo “round” nos rolos ente os dois clubes por local de partida. Começava o Campeonato Brasileiro  o Vasco conseguira a transferência dos seus mandos de campo em clássicos cariocas para São Januário.
Entrou em ação o Ministério Público e, por liminar da juíza Maria da Penha Nobre, da 3ª Vara Empresarial, o pega Vasco x Fluminense foi marcado para o Maracanã.
O presidente vascaíno, Eurico Miranda, dizia que a partida seria em São Januário, ou cancelada. Mas a FERJ e a Confederação Brasileira de Futebol-CBF acataram a decisão judicial, baseada no artigo 13 do Estatuto do Torcedor e de parecer do Comando geral a PM-RJ, sobre o direito à segurança da torcida.
Erico Miranda reproduzido de www.netvasco.com.br Agradecimento
Eurico dizia ser impossível mudar a toda estrutura de uma partida, em 24 horas, e cobrava que o Ministério Público jamais se manifestara em outras ocasiões em que rolaram clássicos cariocas e até um jogo de decisão da Copa do Brasil, em São Januário.
Não adiantou o coro vascaíno. O prélio foi mesmo no Maracanã e terminou no 1 x 1, com o tento cruzmaltino marcado por Abedi.
O terceiro “round” aconteceu em 22 de fevereiro 2015. Por força de contrato com o consórcio que administra o Maracanã, assinado em 2013, o Fluminense passou a ter o lado direito da tribuna de honra usado pela sua torcida, local usado pelos vascaínos desde 1950, quando o estádio foi inaugurado.        
 Mais uma vez, Eurico Miranda ameaçou não mandar o Vasco a campo, caso a sua torcida não fosse para onde costumava ir. Como os mandos de jogos nos clássicos era da FERJ, esta resolveu a questão transferindo a partida para o Engenhão, onde o “Almirante” venceu, por 1 x 0, com gol marcado pelo zagueiro Luan – nesse rolo, o Vasco só perdeu no tapetão.

domingo, 21 de janeiro de 2018

VASCO DA GAMA 4 X 2 NOVA IGUAÇU

Evander, fotografado por Paulo Fernandes, de www.crvscodgama.com.br,
abriu o placar de hoje, em São Januário.
 Evander, Andrés Ríos, Yago Pikachu e Andrey marcaram os gols que valeram a primeira vitória vascaína na  Taça Guanabara. O jogo rolou na tarde de hoje, em São Januário, reabilitando a rapaziada da queda (x 2) ante o Bangu, na estreia, na quinta-feira.
 O próximo compromisso pelo Estadual será diante da Cabofriense, na quarta-feira, a partir das 17 horas, em Bacaxá.
 A escalada dos gols começou aos 16 minutos. Henrique cruzou e Evander cabeçeou para abrir o placar. O segundo pintou a 29.  Mais uma vez, Henrique cruzou e, desta vez, quem marcou foi  Andrés Ríos : 2 x 0, placar do primeiro tempo.
Na etapa final, o visitante diminuiu aos 16 minutos, com uma cabeçada de Henrique. Aos 35 minutos, empatou, em cabeçada de Bruno Soares O Vasco, no entanto, reagiu com Pikachu, aos 38.E fechou a conta, aos.... com Andrey complementando cruzamento de Wagne: 4 x 2.

CONFIRA A FICHA TÉCNICA - 21.01.2018 (domingo) VASCO  4 X 2 NOVA IGUAÇU - 2ª rodada da Taça Guanabara. Estádio: São Januário-RJ. Juiz: Rodrigo Carvalhes de Miranda-RJ. Público e renda: jogo com portões fechados. Gols: Evander, aos 16, e Andrés Ríos, aos 29min do 1º tempo; Henrique, aos 16; Bruno Smith, aos 35; Yago Pikachu, aos  38, e Andrey, aos 45 min do 2º tempo. VASCO: Martín Silva; Yago Pikachu, Erazo, Ricardo Graça e Henrique; Wellington (Rafael Galhardo), Desábato (Bruno Paulista), Wagner e Evander (Andrey); Paulinho (Caio Monteiro) e Andrés Ríos (Paulo Vitor). Treinador: Zé Ricardo. NOVA IGUAÇU: Jefferson, Daniel Damião (Wallace), Raphael Azevedo, Murilo Henrique e Lucas; Paulo Henrique, Caio Cezar, Robinho (Bruno Smith) e Jonathan (Vinícius Paquetá); Wescley e Adriano. Treinador: Edson Souza.


DOMINGO É DIA DEMULHER BONITA - A MULHER MARAVILHA É 'BRASUCA'?

Quando a primeira expedição militar e exploradora europeia desceu quase todo o curso do Rio Amazonas, entre 1541/1541,  o chefe espanhol Francisco Orellana e os seus 50 homens jamais imaginavam a quatidade de água que encontrariam pela frente.
A necessidade de abastecimento alimentar levou-os a entrar pelo Brasil amazônico, onde a rapaziada passou quase um ano sem conseguir voltar ao ponto de partido – sopés dos Andes –, devido a força da correnteza do impressionante rio. No embalo, passou a viver lutando, fugindo, fazendo alianças ou saqueando aldeias. Roubar os índios era preciso: ordem da barriga.
Quem registrou isso foi o frei dominicano Gaspar de Carvajal, membro da expedição e que aprendeu o
Durante um desses papos, os selvagens falaram-lhe sobre uma tribo de mulheres guerreiras que dominavam grande extensão de terra. Elas excluíam os homens de seus convívios, mas usavam índios em suas tropas de choque, sem explicar, no entanto, como os recrutavam.
 O Frei Gaspar, inclusive, deixou contado que teria presenciado uma batalha entre as tais guerreiras e os invasores espanhóis, em um local que os arqueólogos situam, hoje, entre os rios Nhamundá e Trombetas, no Pará.
 Mulheres guerreiras que desprezavam os machos existe na imaginação humana desde a mitologia greco-romana, que as situava vivendo pelas estepes do Mar Negro, entre o que hoje é a Ucrânia e parate norte da Turquia.
 Portanto, bem antes de o psicólogo William Moulton Marston (1893/1943) inspirar-se na ativista Margaret Sanger, que lutava pelo controle da natalidade nos Estados Unidos, e criar a Mulher Maravilha, a mais famosa das amazonas, saída dos traços do desenhistaa Herry George Peter, em 1941.
Como na época em que o Frei Carvajal disse ter visto amazonas guerreando ainda não havia  histórias em quadrinhos, naturalmente, abriram-se vertentes interpretativas para os seus relatos.
Embora jamais se encontrasse evidências arqueológicas de nenhum território dominado por elas, historiadores dos primeiros tempos da conquista espanhola do Novo Mundo não desprezavam os relatos do capelão de Orellana.
Enfim, não há achados arqueológicos sobre guerreiros amazônicos psicodélicos, com cabelos a la Beatles, e nem a respeito de mulheres que os acompanhavam em batalhas, dotadas de atribuições militares. Mas nada pode ser descarado.
 Nem mesmo que o Frei Carvajal tivesse, acidentalmente, fumado um chá à base de substâncias psicoativas, muito presentes na biodiversidade amazônica.
Assim, ficaria fácil mandar uma manchete sensacionalista no horário nobre do jornalismo da TV, dando conta de que a Mulher Maravilha nasceu no Pará, dançava carimbó, comia pato no tucupi, colocava peçonha nos pés e trepava no pé de açaí.
                      IMAGENS REPRODUZIDAS DE CAPAS DE GIBIS


. 

  

    

     

sábado, 20 de janeiro de 2018

BELÍSSIMA MUSA VASCAÍNA DO SABADÃO

O "Kike" viu esta lindíssima vascaína em seu passeio matinal de hoje, pela The Net, mas não encontrou o nome de quem postou. Aparece só que está em "jpeg". Por favor, quem sabe a origem da foto e o nome da bela cruzmaltina nos envie para o devido crédito. Combinado. No mais, veja, mais uma vez, que as mais lindas morenas brasileiras são, de corpo e alma, da galera do "Almirante". Este, por sinal, precisa criar um pouco de vergonha na cara e não perder mais para timecos, como na quinta-feira passada. Tudo bem! Vamos dar um desconto e esperar pela recuperação nesta rodada de final de semana, com a força da linda morena que, com certeza, estará na torcida .  
The saw this beautiful vascaína on his morning stroll today, by the Net, but did not find the name of who posted it. It just pops up in "JPEG." | Please, who knows the origin of the photo and the name of the beautiful Cruzmaltina send us to the proper credit. Combined. In the most, see, once again, that the most beautiful Brazilian brunettes are, in body and soul, of the galley of the "Admiral". This, by the way, needs to create a little shame on the face and not lose more to Timecos, like last Thursday. It's all right! Let's give a discount and wait for recovery in this weekend round, with the strength of the beautiful brunette who will definitely be in the crowd.